Gerenciamento de devoluções: por que você deve pensar nisso

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Um bom gestor não deve trabalhar pensando apenas em condições ideais. É preciso estar preparado para o pior. No dia a dia de uma distribuidora, dezenas de dificuldades podem ocorrer em várias áreas da sua operação. É preciso ter um plano A, B e C para cada problema que surgir dentro da organização. Quer um exemplo? Gerenciamento de devoluções. É muito natural orientar seu trabalho para a devolução zero (ou quase zero), mas existe um longo caminho até alcançar esse estágio. No post de hoje, vamos discutir por que o gerenciamento de devoluções pode (e deve) estar na bússola de profissionais distribuidores.

O primeiro ponto é também o mais óbvio: devoluções acontecem. Você pode ter um sistema poderoso de monitoramento de entrega, conferir todos os pedidos antes de despachar e seguir todas as boas práticas para reduzir o volume de devolução. Sempre existe a chance de você ser contemplado pela Lei de Murphy e ver o pior ocorrer. Nesse caso, se você tiver um planejamento maduro para lidar com devoluções, o impacto sobre a sua operação tende a ser bem menor.

Outra questão interessante sobre gerenciamento de devoluções é pensar nesse processo como um tubo de ensaio. O bom gestor vai tentar entender os motivos do problema e combatê-los daqui para frente. Em muitos casos, existe uma causa maior que influenciou este e outros pedidos.

Devoluções Periódicas

Um exemplo: você percebe que há devoluções periódicas de material perecível para um certo varejista. Estudando melhor, nota que a rota traçada até o lojista é longa e tem vários pontos de tráfego pesado. A solução, nesse caso, poderia ser a utilização de um roteirizador inteligente para suportar a operação.

Além de mapear erros, o gerenciamento de devoluções também ajuda na tomada de decisão. Para escolher melhor, o gestor precisa ter comunicação direta e em tempo real com suas equipes. Se o time de entrega se depara com um pedido de devolução assim que chega ao varejista, deve sinalizar imediatamente para a central.

Logo, o responsável pelas entregas confere o motivo do pedido de devolução e se tem fundamento. Feito isso, liga diretamente para o varejista e tenta negociar. Essas tomadas de decisão rápidas são fundamentais para que um mal entendido com o cliente, ou mesmo um erro de logística, possam ser consertados.

Esperamos que esse artigo tenha ajudado você a olhar de forma mais pró-ativa para as devoluções. Com prevenção, planejamento e comunicação, os danos gerados tendem a ser bem menores.

Se você tem mais dúvidas sobre a gestão de devoluções, deixe sua pergunta aqui nos comentários e nossa equipe analisará sua questão.

Crédito de imagem: Nemo/CC

Já conhece nosso Podcast? Vem tomar um café com a gente!

Deixe seu comentário

Receba os melhores conteúdos sobre logística no seu e-mail e otimize a gestão da sua empresa.


Os conteúdos são 100% gratuitos e você pode parar de receber quando quiser.
Nova call to action

Recomendamos para você:

O que é redespacho?

Muitas pessoas têm dificuldade para identificar o que é redespacho e como isso acontece. E é uma dúvida muito recorrente de quem chega aqui na Lincros, por isso decidi escrever esse artigo para vocês.
All articles loaded
No more articles to load
lincros

Receba os melhores conteúdos sobre logística e ​otimize a gestão da sua empresa

Obrigado por entrar em contato conosco!

Insira seu nome e e-mail para prosseguir para o WhatsApp

lincros

Conecte sua cadeia de transportes ponta a ponta

Uma plataforma. Controle total.