Distribuição de produtos perigosos: cuidados podem evitar acidentes

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Quando se fala em distribuição de produtos perigosos, garantir a segurança é uma tarefa criteriosa e que exige muito cuidado. A regulamentação é rígida, já que o transporte e o manuseio têm riscos potenciais envolvidos. Seguir as normas existentes é a maneira mais eficaz de evitar acidentes e prejuízos financeiros, ambientais e humanos. Internacionalmente, quem estabelece diretrizes gerais para o transporte de produtos perigosos é a Organização das Nações Unidas (ONU). No Brasil, o órgão regulador do transporte terrestre de produtos perigosos é a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Neste cenário, o setor químico é um dos que mais demanda atenção para o transporte e a distribuição de produtos perigosos. A segurança precisa ser, portanto, assunto prioritário para as indústrias químicas. É essencial estar sempre atualizado sobre a melhoria dos padrões para oferecer cada vez menos riscos não só aos trabalhadores, mas também à população e ao meio ambiente.

O fabricante (ou a empresa que faz a expedição da mercadoria) é responsável por classificar um produto considerado perigoso para a distribuição. Para o transporte, deve ser preenchida uma ficha chamada FISPQ (ficha de informações de segurança de produto químico), que contém dados do produto e a classificação em que ele se enquadra.

Classes de produtos perigosos

Nessa ficha, existem nove classes de produtos considerados perigosos. São elas:

  • explosivos
  • gases
  • líquidos inflamáveis
  • sólidos inflamáveis
  • substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos
  • substâncias tóxicas e substâncias infectantes
  • material radioativo
  • substâncias corrosivas
  • substâncias e artigos perigosos diversos

Para o transporte e manuseio desses produtos geralmente é necessária a interdição de algumas vias. Quando o local de entrega está em uma região muito povoada, em centros urbanos ou próximo a nascentes de rios, por exemplo, é recomendável fechar as vias de acesso até o veículo passar.

Outras exigências dizem respeito ao veículo. Ele deve estar devidamente sinalizado, conter kit de equipamentos para proteção individual, kit de emergência, ficha de emergência e envelope para transporte da ficha, informações no documento fiscal e declaração do expedidor. Existem também diferenças legais quanto ao tipo de transporte (aéreo, marítimo ou terrestre).

O profissional que lida com esse tipo de produto também precisa estar capacitado. O motorista deve ter o certificado do curso MOPE (movimentação de produtos especiais) e o trabalhador que faz o manuseio precisa estar ciente do risco da interação de alguns produtos.

Padronização de processos para a distribuição de produtos perigosos

Por ser tão criterioso, é recomendável que a empresa crie um sistema de padronização de processos para manuseio, armazenamento e distribuição de produtos perigosos.

Os critérios devem conter as exigências legais e também contemplar processos específicos que se encaixem na rotina da empresa. As informações devem estar disponíveis a todos os envolvidos. Essa padronização é importante porque lidar com produtos perigosos, além de oferecer riscos, pode gerar multa para a empresa.

O órgão fiscalizador do transporte é a ANTT e a multa pode variar de R$ 400,00 a R$ 1.000,00. Se em um ano a infração se repetir, a multa será cobrada em dobro.

Para mais informações sobre o tema, você pode consultar a cartilha da Associação Brasileira de Atacadistas Distribuidores (ABAD) sobre armazenagem e transporte terrestre de produtos perigosos.

Ficou com alguma dúvida? Deixe sua pergunta na área de comentários do blog ou conheça mais a Lincros, clicando aqui.

Crédito de imagem: Michael Kappel/CC

Já conhece nosso Podcast? Vem tomar um café com a gente!

Deixe seu comentário

Receba os melhores conteúdos sobre logística no seu e-mail e otimize a gestão da sua empresa.


Os conteúdos são 100% gratuitos e você pode parar de receber quando quiser.
Nova call to action

Recomendamos para você:

O que é redespacho?

Muitas pessoas têm dificuldade para identificar o que é redespacho e como isso acontece. E é uma dúvida muito recorrente de quem chega aqui na Lincros, por isso decidi escrever esse artigo para vocês.
All articles loaded
No more articles to load
lincros

Receba os melhores conteúdos sobre logística e ​otimize a gestão da sua empresa

Obrigado por entrar em contato conosco!

Insira seu nome e e-mail para prosseguir para o WhatsApp

lincros

Conecte sua cadeia de transportes ponta a ponta

Uma plataforma. Controle total.